Índios mostram que saúde vai além de curar doenças

Sentar no fim da tarde em um banco numa aldeia dos índios Panará é ver um grupo animado de meninos de 7 ou 8 anos anos afiando uma lança ou pegando pedrinha para o estilingue. É se divertir com as meninas que param o futebol com bola de tênis e vêm conversar e rir com as jornalistas mesmo sem saber português. É se impressionar com os menores, de 5 ou 6 anos, que pulam corda até com bebês no colo e não perdem nem o fôlego nem a destreza. As crianças de Nãsepotiti parecem nunca ficar entediadas.

Difícil imaginar como seria o cotidiano e, especialmente, o humor e o ânimo delas se vivessem fora da Terra Indígena Panará, que fica em um trecho da Amazônia entre o Mato Grosso e o Pará. Para os avós dessas crianças, a resposta vem de imediato: elas não seriam tão alegres, fortes e saudáveis.

A afirmação vem da história de vida desses anciãos, especialmente dos cerca de 20 anos que viveram no Parque Indígena do Xingu (MT). “Lá não era como aqui. A terra era fraca, tinha pouca fruta. Não nascia bebê como aqui”, conta a parteira Kreenpy (lê-se Kreempã), que não sabe sua idade, assim como boa parte dos Panará idosos. “No Xingu, nossas crianças eram magras”, diz outro ancião, Seiakã, enquanto trança um cesto. “Era triste. Aqui, é bem alegre.”

Após quase serem dizimados (passando de 400 para 70 integrantes) por doenças e males como gripe e diarreia (leia mais aqui), eles foram levados ao Xingu, parque indígena idealizado pelos irmãos Villas Bôas. À primeira vista, os Panará estavam bem e saudáveis no Xingu. Mas um olhar mais apurado mostrou que saúde vai além da ausência de doenças, afirma o médico sanitarista Douglas Rodrigues, coordenador do Projeto Xingu e que acompanha as condições de saúde dos Panará e de outras etnias há mais de quatro décadas.

“Desde que chegaram ao Xingu, eu conversava com eles e ouvia a mesma coisa: ‘Aqui é ruim, aqui não tem castanha…’ Eu não entendia muito bem e temia que voltassem a pegar malária e tuberculose”, conta o médico, na sede do projeto, na zona sul de São Paulo, em uma sala com arte indígena e memórias registradas em aldeias Brasil afora. “No minuto em que eu pisei em Nãsepotiti, compreendi tudo. Para eles, não tem saúde sem território. Não é só curar doença – é viver bem. Envolve a família, as relações, os rituais, a terra.” Para provar que estavam certos em voltar, os Panará não paravam de levar comida a Douglas. “Um chegava e falava: ‘Já tinha comido batata-doce no Xingu? Lá não tinha!’. Logo vinha outro me dando açaí.”

O VIVER BEM DOS PANARÁ
Na terra original, os Panará habitavam uma área vasta. No Xingu, eles não podiam sair do limite do parque nem conseguiam colher os frutos e as castanhas com os quais estavam habituados. Também não dava para caçar e pescar como haviam aprendido. “Os Panará não sabiam pescar com anzóis e linha e desconheciam a construção e o manejo de canoas”, explica Douglas em sua tese de doutorado “Saúde e doença entre os Panará, Povo Indígena Amazônico de contato recente, 1975-2007”.

Longe da mata em que seus ancestrais cresceram, eles também perderam os remédios da floresta. E passaram anos sem pajés, já que os anciãos haviam sido mortos ou eram desvalorizados na tribo, por alguns os culparem pelos “feitiços” que quase os dizimou. “Ficar sem pajé é ruim porque isso os deixa à mercê da medicina dos brancos, que muitas vezes não é o ideal para eles”, diz Douglas. “No Xingu, os Panará tinham de recorrer a pajés de uma etnia diferente – outro cenário longe de ser adequado.”

Maria Fernanda Ribeiro/Believe.EarthImagem de uma jovem mulher indígena, com cabelos longos e negros, com franja, segurando um bebê indígena no colo. Ela olha para a câmera, sem sorrir. O bebê é gordinho, tem as bochechas pintadas de preto, e usa pulseiras com miçangas amarelas.

SABEDORIA ANCESTRAL
O retorno à terra resgatou a autonomia do povo e os levou de volta às suas tradições. Os anciãos fazem coro para reafirmar que é da terra boa para plantar, dos rios ricos em peixes e da mata abundante para a caça que vem a saúde dos Panará. E a fertilidade. A comunidade que retornou com 178 indígenas tem, duas décadas depois, mais de 600 pessoas. O número impressiona, já que o índice de mortalidade infantil indígena, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é mais que o dobro do que entre os não-indígenas. De acordo com o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a mortalidade infantil indígena cresceu mais de 20% no país de 2015 para 2016.

Maria Fernanda Ribeiro/Believe.EarthUma menina indígena, usando vestido estampado colorido, segura uma espiga de milho com a mão direita, e a mostra para a câmera enquanto sorri. A outra mão segura uma espiga de milho perto de uma pequena fogueira. Ela está dentro de uma casa com paredes de palha, móveis simples de madeira (mesa, banco) e algumas pedras

Nãsepotiti tem um posto de saúde com remédios e médico e enfermeira ou técnico de enfermagem, que podem chamar resgate aéreo em casos graves. Mas a fórmula de saúde e bem-estar dos Panará engloba outros fatores. Enquanto amamenta a filha de poucos meses e chama atenção do filho que faz graça para a câmera, a jovem Tutiti revela um dos segredos do crescimento de seu povo: a alimentação das grávidas. “Nas duas vezes em que fiquei grávida, comia muito peixe pequeno, que são os que o cheiro é mais fraco e por isso não dão enjoo”, afirma. Para a parteira Kreenpy, as grávidas têm de comer muito mel e frutas nativas. “Lá no Xingu tinha pouca. Mas aqui, como a terra é boa, a roça dá muita coisa.”

Mariana Della Barba/Believe.EarthFoto tirada de cima onde aparecem várias espigas de milho em cima de um pano verde; ao lado, uma bacia com um ralador apoiado, onde aparece um pouco do milho já moído.

O médico Douglas Rodrigues diz ser importante respeitar e preservar os conhecimentos indígenas. “Quando eu vou até eles, ouço muito sobre se a caça rendeu, como foi a pesca, as condições do roçado”, diz. “Tenho atenção para não atropelar os cuidados tradicionais. Depressão, por exemplo, costuma ser muito bem equacionada pela medicina indígena, ao passo que a nossa usa psicotrópicos e nem sempre funciona adequadamente.”

André Villas Bôas/ISAImagem aérea de uma floresta muito fechada, onde há alguns espaços abertos onde aparecem plantações circulares

Para ele, é fundamental que os profissionais que trabalham com os Panará – ou outros povos – mantenham uma intervenção mínima. “Um passo além e você cria dependência, e isso tira a autonomia”, afirma. E, para os Panarás, autonomia vale mais que remédio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>